;
NelTur

Trilhas do PESET – Serra da Tiririca

Informações Importantes


terça-feira a domingo, de 8 a 17h, para visitação em trilhas; de 9 a 17h no setor administrativo.


Visitas Monitoradas Entrada Gratuita


Rua das Rosas, nº 24 – Itacoatiara – 24.348-290 – Niterói – RJ  Tel.: (21) 2709-9176

Endereço eletrônico: administrador@parqueserradatiririca.org e falecom@parqueserradatirirca.org

– Alto Mourão
A Pedra do Elefante está localizada entre as Praias de Itacoatiara (situada no município de Niterói) e de Itaipuaçu (no município de Maricá). Com seus 412m de altitude, é o ponto culminante do parque e também da cidade de Niterói. Trata-se da elevação mais conhecida e concorrida de toda a região, pois, além da vista espetacular do alto, o caminho de acesso proporciona situações diversificadas, sendo um trajeto muito interessante. O nome de Pedra do Elefante é o mais popular e se deve ao desenho do seu contorno, quando vista da Praia de Itaipuaçu, bastante semelhante ao animal. Outros nomes conhecidos são: Falso Pão de Açúcar e Pedra de Itaipuaçu, além daquele que possui respaldo histórico que é Alto Mourão, derivado do nome de Duarte Martins Mourão, o proprietário dessas terras no meio do século XVI.
A trilha começa no ponto mais alto da estrada da serrinha (Estrada Gilberto Carvalho), a 150m de altitude, cerca de 50m antes de se chegar ao Mirante de Itaipuaçu, e está sinalizada com placas. Siga subindo a encosta no sentido sul em uma trilha bem marcada, com poucos obstáculos, que nesse trecho inicial transpassa uma área em recuperação. Após 600m de subida, aproximadamente 20 minutos, a inclinação diminui um pouco, a trilha cruza por uma clareira com chão de rocha, chamada de Praça do Descanso (ou, originalmente, Praça da Pita). Depois disso, a trilha se mantém relativamente plana e com um leve sobe e desce.

– Costão de Itacoatiara
O Costão de Itacoatiara, também conhecido como Morro do Tucum, é um belo monólito que avança sobre o mar, localizado entre a Pedra do Elefante e a Praia de Itacoatiara, uma das mais ‘badaladas’ de Niterói. Essas encostas são muito procuradas, principalmente nos finais de semana, tanto pelos caminhantes que sobem a crista inclinada, quanto pelos escaladores que desafiam as faces de granito mais verticais, todos querendo chegar ao alto para apreciar a vista e o famoso pôr do sol.
A trilha que segue para o Costão de Itacoatiara e Enseada do Bananal começa no Posto de Recepção ao Visitante, em Itacoatiara, localizado na Rua das Flores nº 24, perto da Praia de Itacoatiara. Assim que adentrar no portão do posto, assine o livro de visitantes e siga pela trilha que sobe em paralelo a um muro por alguns metros para depois iniciar um curto ziguezague, que dura aproximadamente 10 minutos, até chegar ao colo do vale, cerca de 200 m do início da trilha. Nesse início a trilha segue em sentido leste, sob a mata, e é bem marcada, além de possuir algumas benfeitorias como degraus e corrimãos.

– Morro das Andorinhas
O Morro das Andorinhas é uma elevação alongada de 2,6 km de extensão e 196 m de altitude que avança sobre o mar, dividindo as praias de Itaipu e Itacoatiara. A denominação se deve a uma gruta em uma de suas faces, onde andorinhas fazem seus ninhos, um local de refúgio para passarem a noite.
Comece subindo a ladeira íngreme e cimentada ao lado do nº 1.093 da Rua da Amizade. Após cerca de 60 m caminhados, a ladeira fica menos íngreme e, aos poucos, o calçamento vai dando lugar a um caminho de terra. Passe algumas residências e, 300 m depois, pegue o caminho da direita, subindo alguns poucos metros em direção a um portão que marca o início da trilha, sempre bem definida, com poucos obstáculos e subindo suavemente a prolongada crista do Morro das Andorinhas, cruzando a mata de médio porte.
Logo após o início da trilha, há uma curva para a direita, seguindo em definitivo para sudoeste. Com mais 270 m, a pouco mais de 5 minutos do início, atinge-se uma entrada à esquerda, próximo a uma placa para o primeiro mirante virado para a Praia de Itacoatiara e de frente para as principais atrações do parque. Esse mirante é chamado de Mirante da Pitangueira, localizado perto de uma comunidade tradicional que vive nessa encosta conhecida como Comunidade do Sítio da Jaqueira.
Voltando para a trilha principal, poucos metros adiante, entrar à direita em uma bifurcação, sinalizada por outra placa, e seguir cruzando a mata por 50 m até chegar ao Mirante Região Oceânica, debruçado sobre o Bairro de Itaipu, praticamente em frente à ligação da Praia com a Lagoa de Itaipu. Nesse mirante, o que mais chama a atenção dos visitantes é a vista das famosas montanhas da cidade do Rio de Janeiro.
Após explorar o belo mirante, volte para a trilha principal e continue caminhando para sudoeste, em subida suave, até chegar ao Mirante Itacoatiara, 180 m depois, em menos de 5 minutos de caminhada. Este possui vista parecida com a do primeiro, mas é o principal mirante do Morro das Andorinhas, praticamente virado para o cartão-postal do parque. De lá se vislumbra a Praia de Itacoatiara, o Costão de Itacoatiara (Morro do Tucum), a Pedra do Elefante (Alto Mourão), a Pedra da Solidão, o Morro do Telégrafo e a continuação da alongada Serra da Tiririca.

– Córrego dos Colibris
Interessante passeio que adentra as matas do Córrego dos Colibris, uma área coberta por vegetação secundária em processo de regeneração há mais de 50 anos, onde o visitante tem a oportunidade de conhecer várias espécies importantes da Mata Atlântica, como grandes figueiras, helicônias, ipês, paineiras, além de outras. E, claro, também visitar o Poço dos Colibris, com sua água cristalina e perene, e o Brejo das Pacas, que é uma área alagada de floresta. Trata-se de uma trilha plana e curta, indicada para visitantes de qualquer faixa etária e é também onde o parque faz normalmente trabalhos de educação ambiental, principalmente com as escolas da região.
O início da trilha está sinalizado e começa no final da Rua Engenho do Mato, no cruzamento com a Rua São João, entrando na mata em sentido leste. A trilha é plana, bem marcada, protegida pela sombra das árvores, com várias placas interpretativas que proporcionam ao visitante conhecer um pouco mais sobre importantes exemplares da Mata Atlântica e também sobre o parque.

X